Este albergue de guerra na Bósnia oferece a melhor experiência de autoprivação

Publicado por siterjturismo em

Se você é adepto do turismo negro, vai adorar este albergue de guerra na Bósnia que fica no local da casa da família do proprietário onde ele viveu a guerra.

Se você é um adepto do turismo sombrio, vai adorar este albergue de guerra na Bósnia, que fica no local da casa da família do proprietário Arijan Kurbasic, onde ele viveu a guerra quando criança.

De acordo com o New York Times, ele cumprimenta os convidados vestindo uniforme militar, botas pretas, capacete e colete à prova de balas, e pede que o chamem de Zero One, codinome de seu pai durante a guerra. Arijan Kurbasic deixa bem claro em seu site – War Hostel Sarajevo não é para turistas comuns e certamente não para os fracos de coração. O jovem de 26 anos está sentado atrás de uma pilha de sacos de areia que funcionam como mesa de recepção. Ele explica que sobreviveu à Guerra da Bósnia quando criança: “Minha família e eu passamos por uma guerra que não pedimos e sobrevivemos por pura sorte”, diz Kurbasic. “Eu ofereço experiências imersivas e passeios de guerra para mostrar o que acontece quando as pessoas se dividem em ‘nós e eles’.”

Crédito Laura Boushnak para The New York Times

Se você gosta do macabro e acaba ficando naquele albergue inusitado, vai encontrar uma decoração inusitada — muitas armas e, em um cômodo, um cartaz gritando “Morte” e “Fim”.

O sofá da sala comum do hostel é forrado com estofamento camuflado. Bandeiras, recortes de jornais e fuzis automáticos estão pendurados nas paredes. À noite, privados de eletricidade, os convidados lêem acendendo velas a óleo e adormecem em tapetes de esponja, ouvindo o som de tiros e explosões de bombas tocadas em um sistema de som. Os anos do cerco de Sarajevo se estendem dentro do War Hostel da cidade, um lugar onde os visitantes experimentam a vida cotidiana em uma zona de guerra.

Você pode passar a noite no “bunker”, uma masmorra escura tão desconfortável que, segundo o próprio dono, “é uma loucura querer dormir lá”.

Vai custar 20 euros, cerca de $ 22,50 para dormir lá. Há fumaça bombeada por uma máquina para criar uma névoa sufocante. O piso é feito de lama compactada, enquanto as paredes e o teto são feitos de toras grosseiramente cortadas. Você pode dormir em tábuas de madeira dura sem colchão. Coisas materiais como telefones celulares, joias e relógios são proibidos no bunker.

Crédito Laura Boushnak para The New York Times

Kurbasic disse que pensou em cortar a água do albergue e obrigar os hóspedes a recolhê-la em baldes do lado de fora, como a maioria das pessoas em Sarajevo fazia durante a guerra, mas decidiu não fazer isso. Ele também instalou Wi-Fi, resultado do pedido de sua clientela jovem.

No albergue de guerra, Kurbasic disse que seu objetivo não era criar nostalgia pelo pior conflito da Europa desde a Segunda Guerra Mundial, mas simplesmente permitir que os hóspedes, especialmente os millennials, experimentassem e entendessem o desconforto e as privações do tempo de guerra.

Categorias: Viagem