Rio de Janeiro Turismo Brasil: Dicas para viagens, hospedagens e gerais para sua viajar melhor!

Estes são os erros de caminhada mais perigosos, de acordo com especialistas

Publicado por siterjturismo em

No geral, a caminhada é uma atividade recreativa relativamente segura – mas quando dá errado, as consequências podem ser graves.

caminhada com farol, escalada em rocha em uma caminhada

Caminhar é um dos maiores passatempos ao ar livre e com tantas vistas magníficas para serem vistas, não há dúvida do porquê. Algumas trilhas são muito mais difíceis do que outras, enquanto algumas oferecem recompensa máxima com muito pouco esforço. Elevação, distância e resistência são fatores que influenciam uma caminhada, mas, surpreendentemente, nenhum deles é o que pode tornar as trilhas tão perigosas.

Também não é vida selvagem – embora isso seja algo que você deve saber antes de seguir a trilha. Em vez disso, é uma era humana comum que pode passar de um dia ensolarado para outro com consequências devastadoras.

Subestimar a trilha antes de vê-la

Ler resenhas sobre uma trilha é uma coisa, mas partir para uma sem ter a menor ideia do que isso implica é outra completamente diferente. Com todos os aplicativos disponíveis hoje em dia, além dos guias de parques à disposição do caminhante, não há razão para que isso seja um erro.

Aplicativos como AllTrails, Gaia GPS e até Instagram ou Google Earth são ótimas ferramentas (gratuitas). Até mesmo pesquisar no Google uma trilha ou parque antes de se comprometer com ele pode ser útil para saber o que esperar, para que os caminhantes com experiência mínima não acabem atravessando escaladas de rochas de classe três!

Caminhar sozinho, mas sem um dispositivo localizador ou deixando a palavra com alguém

O problema aqui não é apenas caminhar – o problema está em não alertar as pessoas sobre o paradeiro de um caminhante. O erro mais comum, de acordo com Sierra, é quando caminhantes experientes saem, se deparam com condições inesperadas e não têm como resgatar, pois não avisaram a ninguém antes.

Isso também pode acontecer com os caminhantes novatos, mas é a confiança que os caminhantes experientes têm que os torna mais propensos a cometer esse erro. A experiência não significa nada durante uma emergência inesperada; diga a alguém antes de ir.

Sair da trilha pode parecer inofensivo, mas não é

Imagine este cenário: há uma criatura interessante da floresta na trilha. O peludo fofo corre para longe, para longe da trilha – não muito longe, mas longe o suficiente para se ramificar significativamente das chamas, que marcam a trilha. Um caminhante começa depois do que viu, determinado a obtê-lo pelo ‘grama, e antes que perceba, eles vagaram meia milha da trilha, sem saber em que direção foram.

Sem uma bússola, um senso geral de orientação ou GPS, isso pode significar sérias consequências. Perder-se é um dos maiores problemas, especialmente durante longas caminhadas por áreas densamente arborizadas. Um localizador pessoal – PLB – teria sido útil durante esta história.

Alterar o plano no meio da caminhada pode ter consequências desastrosas

E não do tipo “Não estou com vontade de comer um sanduíche no almoço, vamos abrir as batatas fritas em vez disso”. É mais comum em caminhadas longas que os planos sejam alterados ou totalmente descartados, pois a luz do dia diminui e os caminhantes se cansam facilmente. Exaustão, falta de luz e mudanças climáticas são as causas mais comuns de desvios de planos.

Pode ter demorado mais para chegar ao ponto final, ou os caminhantes podem ter se virado sem perceber que era uma distância maior do que a frente, ou o tempo pode até ter mudado sem aviso. Seja qual for a causa de uma mudança de planos, isso pode levar a caminhantes encalhados sem um plano B. É sempre melhor manter o curso, levar um farol ou lanterna, comida e água suficientes para passar a noite e alertar alguém sobre o seu paradeiro.

Categorias: Viagem