Os ossos no vale das baleias ainda são um mistério, e essas fotos mostram como é estranho

Publicado por siterjturismo em

Um dos muitos Patrimônios da Humanidade da UNESCO, o “Vale das Baleias” abriga os restos fossilizados de uma antiga espécie de baleia… que tinha patas traseiras.

Existem muitos lugares ao redor do mundo que abrigam fósseis antigos, mas nenhum tão estranho quanto o Vale das Baleias, também conhecido como Wadi al-Hitan. A extensão do deserto no Egito é o lar de um cemitério literal de ossos de baleia, fossilizados e preservados sob séculos de areia, sujeira e cascalho. Embora os pesquisadores tenham descoberto a maioria dos segredos deste vale, a origem real das espécies pertencentes aos fósseis ainda permanece um mistério.

Estruturas esqueléticas inteiras foram exumadas sob a observação cuidadosa de equipes de pesquisa, e o tamanho tremendo, combinado com as características únicas dessas baleias, é o que desperta o interesse de muitos. Um mamífero outrora antigo, esta espécie conta a história da evolução através do local onde jaz, imperturbável, no meio do deserto ocidental do Egito, já um dos países mais fascinantes do mundo.

Os fósseis de baleia pertencem a uma espécie há muito extinta

Archaeoceti, para ser exato. As espécies de baleias com as quais estamos tão familiarizados hoje e as espécies que existiram até 53 milhões de anos atrás não são tão semelhantes. Embora se acredite que as baleias modernas evoluíram a partir desta espécie, os Archaeoceti eram na verdade habitantes da terra e também habitantes da água. Acredita-se que esta seja a espécie mais antiga de baleia conhecida pelo homem, e não se sabe muito sobre ela. Também se acredita que eles podem ter migrado até a América do Norte, daí sua linhagem de espécies moderna.

Archaeoceti: ​​a baleia com patas traseiras

Enquanto as baleias que conhecemos hoje são marinhas, os Archaeoceti caminhavam sobre a terra com a capacidade de mergulhar, muito semelhante ao Hipopótamo. Da mesma forma, camelos, girafas e porcos estão no mesmo grupo taxonômico. Esta espécie teria sido capaz de vagar pelo que hoje conhecemos como Egito e, em algum lugar ao longo do caminho, começou a perder as patas traseiras para se adaptar e evoluir para uma vida em tempo integral na água.

Os restos encontrados em Wadi al-Hitan demonstram claramente uma evolução entre os primeiros caminhantes terrestres e a vida marinha que conhecemos agora.

Os restos mortais das baleias estão notavelmente intactos

Das espinhas dorsais ao conteúdo estomacal, os pesquisadores encontraram fósseis que estão em condições extraordinárias, embora seja um estranho achado arqueológico. Foi isso que levou a vista a se tornar terra protegida, pois as pesquisas estão em andamento e os fósseis ainda são examinados até hoje. Também vale a pena proteger o grande número de fósseis, pois a extensão desta terra antiga contém a chave para aprender mais sobre a evolução da baleia, incluindo o período de tempo durante o qual os Archaeoceti viveram.

A área é um Patrimônio Mundial da UNESCO e protegida pela lei egípcia

Enquanto o terreno está protegido, existe uma zona de visitação montada para que os interessados ​​possam observar o que se passa durante as escavações arqueológicas. Apenas cerca de 1.000 pessoas visitam o local a cada ano, ajudando a manter a integridade do local de escavação. Também não é o local mais fácil de chegar no Egito, pois a viagem é desafiadora e a área em si é bastante isolada.

Descobriu-se que o oásis extinto também abrigava outras formas de vida marinha antiga, já que os restos de tubarões, crocodilos e até tartarugas foram exumados junto com os atuais esqueletos de baleias. Acredita-se que este já foi um refúgio cheio de água para a vida selvagem, já que foram encontrados tantos fósseis pertencentes a várias espécies diferentes que não combinam com nada que vive hoje.

Categorias: Viagem