Você moraria no espaço? É assim que é, de acordo com os astronautas

Publicado por siterjturismo em

Viver no espaço sideral é uma experiência que desafia a gravidade (literalmente) e apresenta alguns desafios bastante sérios, mental e fisicamente.

Voce moraria no espaco E assim que e de acordo

A realidade é que as pessoas vivem no espaço há pouco mais de duas décadas. Os astronautas foram treinados para sobreviver na Estação Espacial Internacional, que orbita a Terra a uma taxa de 92 vezes em apenas 92 minutos. Embora o tempo máximo que eles permaneçam na ISS seja de apenas seis meses, viver no espaço é uma experiência completamente diferente – e única.

Pesquisar faz parte do trabalho deles enquanto estão lá em cima, mas isso não significa que eles não tenham tempo de inatividade. Tudo, desde comer até dormir, funciona de uma maneira nova. Seu espaço de vida é bastante amplo e eles têm acesso a uma academia, bem como a um centro de observação de 360 ​​graus, mas isso não significa que tudo seja diversão e jogos vivendo com gravidade zero. É preciso muito tempo para se acostumar e uma maneira de pensar sem estresse… as coisas ficam bem estranhas no espaço – você acha que conseguiria lidar com isso?

Conteúdo da página

Comer é… Interessante

Enquanto a maioria de nós está acostumada a se agachar e mergulhar em uma pizza de pepperoni sem que ela flutue, esse não é o caso no espaço. Embora os astronautas vivam em um ambiente controlado – na maioria das vezes – eles ainda precisam amarrar as bandejas de comida e até mesmo prender os ingredientes com fita adesiva.

Não há nada como fazer o jantar e tentar pegar o saleiro antes que ele flutue, mas no espaço isso não é uma ocorrência inédita. Falando em sal e pimenta, cada um deles está na forma líquida – porque as pequenas partículas moídas simplesmente flutuariam no ar se não estivessem. Além disso, as refeições são seladas a vácuo e é necessária água para hidratar algumas delas.

Exercitar-se não é nada como ir à academia na Terra

A gravidade desempenha um papel em quase tudo o que é feito no espaço sideral. Enquanto flutuam pelo sistema solar, os astronautas são obrigados a manter uma rotina de condicionamento físico, o que significa lutar contra a falta de gravidade para isso.

Um mínimo de duas horas de exercício é necessário para neutralizar quaisquer efeitos colaterais físicos negativos e, para fazer algo tão simples quanto correr na esteira, os astronautas precisam usar cordas elásticas para se prender.

Pôr do sol e nascer do sol significam algo diferente para o sono

A quantidade de amanheceres e entardeceres que aqueles no espaço encontram é impressionante – 16 no total, no período de tempo do que normalmente seria um para cada um de nós na Terra. Embora oito horas de sono sejam necessárias para os astronautas, conseguir isso está longe de ser fácil.

A falta de peso significa que dormir requer um bom controle, combinado com possíveis enjôos e/ou alterações de humor, o que significa que uma boa noite de sono nem sempre está nas cartas. É difícil se acostumar quando uma pessoa experimentou o peso sólido e a gravidade durante toda a vida, para dizer o mínimo.

Os efeitos na saúde são significativos e não são bons

Os seres humanos não foram projetados para sobreviver no espaço, e é exatamente por isso que é preciso tanto para isso. Os astronautas enfrentam uma variedade de riscos à saúde e devem estar em boa forma apenas para fazê-lo. A microgravidade pode causar perda muscular e óssea, o que pode causar sérios problemas quando eles voltarem para a Terra. A falta de gravidade significa que os músculos não são usados ​​com tanta frequência para fazer coisas simples, como ficar em pé, sentar e andar.

O próprio voo diminui a imunidade e também pode afetar a saúde cardiovascular, levando a outros riscos potenciais. Isso pode até levar a coisas como inchaço do rosto e um músculo cardíaco menos usado e diminuição do fluxo sanguíneo. As características físicas também podem ser afetadas, alterando a aparência de uma pessoa devido aos níveis de radiação no espaço.

Categorias: Viagem